Trend Alert – Flatform

Eu sei bem que vocês já conhecem o modelo flatform, eu mesma falo mais pelo nome popular plataforma e deixo o termo em inglês de lado, mas em inglês ou português o modelo continua sendo o mesmo.

Gostaria de focar no modelo sandália, ano passado falamos bastante dos oxfords flatforms, então esse ano e nesse lindo verão vamos aproveitar que já estamos acostumados a calçar esse super salto, então bora.

Outro dia Estava passando pela C&A e me deparei com uma sandália intrigante, plataforma plana, tiras caramelo e saldo com detalhes de corda, mais ou menos uma espadrille, achei a cara do verão e como estou com a bebê novinha e aprendendo a ser mãe prefiro salto baixo ou nenhum, dá o maior medo de derrubar o bebê.

Eu na verdade nem sempre fui fã desse tipo de calçado, sempre gostei de algo mais delicado, mas a tendência nos empurra para ampliar nossos horizontes, numa questão fashion é claro.
Obviamente se trata de um calçado mais grosseiro, mas combinado a um look totalmente fora delicado torna o combo mais cool, despojado, atual, tudo de bom que puder imaginar.


Agora sempre que vou para algum lugar já penso na minha flatform, logo posto um look meu aqui com ela, estou na maior correria, vocês sabem, não é fácil cuidar de um bebê e manter uma vida fashion rsrsrsrsrsrs.

Fiquem com algumas inspirações e depois me digam se vão apostar na trend ou não.



Diário de uma Mãe - 2º Mês do bebê

Olá pessoal, olha eu aqui outra vez, tem gente que vai achar um absurdo, outros vão até aplaudir, pois é, com muito custo estou aqui para detalhar o segundo mês completo da minha bebê linda Aria que só fez trazer alegria para meu lar e toda minha família.


Vamos ao assunto então;

Após passar pelo primeiro mês cheio de surpresas (não que agora não tenha), coisas que nunca havíamos visto de perto ou que nunca tínhamos visto mesmo, acho que estamos andando na velocidade média, saímos da inércia que antes nos consumia e chegamos a um nível básico, porém bem mais esclarecidos.

Já não choramos mais (eu né) pelas noites mal dormidas, embora não tenhamos controle sobre nosso sono de cada dia, mas ainda assim não choramingamos por isso, já entendemos a rotina de um bebê e o que ele quer de nós. Claro que alguns chorinhos ainda são uma incógnita, mas para isso temos uma mãezinha experiente a nossa disposição (minha mãe hauhauhau).

As cólicas do bebê ainda são um fardo, passados o primeiro, segundo e agora que entramos para completar o terceiro estamos contando os dias, queremos muito cravar o terceiro mês e com fé em Deus dar adeus a essa maldita dor que assola nossa pequenina.


Ahhh novidade, completados os dois meses de vida, como todas as mamães sabem tem as terríveis vacinas que podem dar reação no bebê, dores, febre e tudo mais, por indicação de uma amiga do maridom optamos por vacinar a nossa pequena em uma clinica particular, segundo a enfermeira que nos atendeu o percentual de não haver reação no bebê que recebe a vacina numa clinica particular é maior do que o que recebe as vacinas na rede pública, então foi o que fizemos, vacinamos a Aria e ela chorou na hora horrores tadinha, afinal a dor da picada é a mesma, horas depois ela ainda sentia dor local, falamos com a pediatra que nos receitou um remédinho para alivio e disse que no dia seguinte não estaria mais dessa forma, dito e feito, Aria ficou bem no dia seguinte, na verdade na mesma noite ela já não sentia mais nada, tivemos cuidado, mas ela ficou ótima, não houve reação à vacina e eu estou dando pulinhos de alegria, então quem optar por vacinar seu bebê numa clinica particular eu lhes digo, vale mega a pena, porém lembre-se, cada organismo é um organismo, sem garantias pessoal.


No dia 31 de dezembro demos adeus a 2017, logo também batemos parabéns pelos 2 meses de vida da nossa princesa, correria só, mas fizemos e deu tudo certo, bolinho singelo de gatinho que por sua vez estava maravilhoso, cantamos, nos alegramos e nos deliciamos, talvez não nessa ordem, mas esperem, não foram apenas flores, lembrem-se réveillon, dia de soltar fogos, bombinhas, biribas e tudo mais que explodi, pois bem, Aria não estava nada feliz com isso, assustou muito com toda a barulheira que nem era da casa onde comemoramos, mas enfim, vizinhança é vizinhança, tivemos muito choro e um longo soninho com muita proteção nos ouvidos, a carinha dela na foto do bolo da bem para perceber que ela não está nada bem, mas deu tudo certo.


Apesar de muita felicidade e um raio de luz quanto a cuidar de um bebê pela primeira vez, eu meio que estou em um dilema fashion que me encuca todo santo dia, minhas roupas não me servem e ainda me recuso a comprar roupas muito grandes, mas as medidas insistem em se manter como estão. A tempos não perco peso, mas todo mundo diz que é cedo, eu sei, mas isso me intriga, assunto pra outra postagem, só registrando aqui pra vocês saberem.

Mudando da água para o vinho, pensem numa mãe que não aguenta ver look ou sapatos em cada loja que passa, pois bem, se eu não tinha controle antes sobre a minha vida fashion, garota você não me conheceria agora, pois te digo, também não tenho controle sobre a vida fashion da minha bebê, dito isto, acho que teremos que aplicar abstinência de compras na Aria também.

Acho que é só, vida que segue, terceiro mês vem aí e conto à vocês qualquer novidade, compartilhem também comigo, quero dicas.

BjooOOO

Trend Alert - Calça Envelope

Fala galera, pensa que a sumida aqui sumiu mesmo, que nada, estou por aqui, só que com um bebê no colo e pouco tempo para postar hauhauhau.

Isso vocês já sabem né, o que vocês provavelmente sabem também é que a tendência popular do momento é a tal da calça envelope.

Até uns dias atrás eu nem sabia do que se tratava, mas dei um pulo no Bom Retiro, aquela rua das paradas mais fashion no que se diz respeito a roupas de SP, as ruas estavam cheias de comerciantes vendendo o produto, era praticamente tudo igual, no início não dei bola, depois minha irmã comprou uma e agora estou louca pra garantir ao menos uma pra mim, engraçado que não encontrei nas lojas, apenas em ambulantes de rua.

Bem verdade que as estampas que encontrei na minha saída de compras não foram bem o que eu poderia de chamar de estampas que seriam a minha cara, mas enfim.

Para entender melhor a peça basta observar bem, ela tem uma amarração, aberturas laterais e de tecido leve, hummmmm interessante, uma peça bacana, mas tem que ficar de olho nessa abertura lateral, cuidado com o quanto ela vai abrir.


Se for para ambientes mais sérios seria interessante procurar modelos como essa foto acima, que não deixa muita a perna a mostra, uma fenda discreta, apenas remete ao envelope, achei bacana, usaria na boa.


Uma boa pedida é usar a tal calça na praia, as fendas fazem muito bem ao calor e quem está passando calor, achei chique o look da @thaisedemari na praia, ficou show e já quero copiar.

Bom, acho que todo mundo viu a tal calça envelope por aí, deve ser queridinha de muitos e um horror pra outrso muitos, mas me diz, e você o que achou?

Vai apostar na trend? 

Diário de uma Mãe – 1º Mês do bebê

Acho mais que compreensível postar isso praticamente um mês depois da ultima postagem, ou até mais né minha gente, eu contei basicamente sobre o parto enfatizando a felicidade de termos aqui em casa, agora conosco um bebê saudável e um lar ainda mais feliz.
Sou grata a Deus em primeiro lugar pela vida da minha filhinha, Aria vem se mostrando como uma caixinha de surpresas a cada dia é surpreendente como a mudança nos afeta da ponta do pé ao ultimo fio de cabelo, estamos extremamente felizes e completos agora.

Agora vamos à postagem, que pelo titulo enfatiza o primeiro mês do bebê e digo a vocês meninas  e meninos, não é nada fácil, ou pelo menos para nós aqui de casa tem sido bastante cansativo apesar de gratificante, mas o cansaço vence hauhauhau.

Aria, nasceu como falamos na postagem anterior com mais detalhes com uma certa particularidade, um probleminha na formação da perninha devido a posição uterina, algo reversível, consultamos ortopedistas e pediatras na primeira semana, foi tenso, um bebê de dias saindo dia sim e não para consultas em diversos lugares, mas era necessário, então fomos a todos os consultórios que marcamos.
Por sermos pais de primeira viagem, precisávamos de muita atenção dos especialistas e diagnósticos precisos, consultamos mais de um médico por especialidade (Pediatria e Ortopedia), para ser mais precisa três de um e dois do outro, logo encontramos as respostas que precisávamos e graças a nosso bom Deus nossa filha estava bem, foi apenas um susto.

Seguimos então para próximo passo, ou o passo que deveria ser o primeiro, amamentação, infelizmente pelo não contato imediato pós-parto, Aria não mamou no peito de cara, consumiu fórmula na maternidade e em casa apavorada sem nenhuma noção de amamentação e muito tensa por conta da perninha imóvel eu optei por oferecer uma fórmula, não podia deixar meu bebê com fome.
Nas primeiras semanas ela só pegava um dos seios, o outro era uma luta, ela não pegava de jeito nenhum, fui ao banco de lei de Guarulhos e peguei dicas e instruções, recebi um rápido treinamento e olha que milagre, Aria pega os dois seios, não cortei a fórmula, faço uma alimentação intercalada, confesso que ela pega bem pouco o peito, mas esse pouco já é um tudo pra quem estava desesperançada.
Agora o assunto mais triste, cólicas do bebê, a pediatra alertou que a partir do décimo quinto dia as cólicas poderiam ser parte da rotina, tem criança que tem e outras não, quem dera fizéssemos parte do percentual que não tem essa maldita alteração intestinal que atinge o bebê da pior forma possível, pois bem, chegando o décimo quinto dia Aria gritou de dor. Corremos atrás de paliativos, poucos resultados positivos, muita coisa é só na nossa cabeça, remédios caros e sem nenhum resultado, apenas um deles nos ajudou realmente, por meros instantes, somos gratos ao Colic Calm (produto importado), mas falo mais desse assunto numa postagem especifica né(?).

Essa é uma fase que tira o sono do bebê, deixa ele estressado e da muita dor no coração dos pais, mas a dor vem e o sono vai embora junto com o do bebê, olheiras tomam conta do nosso semblante e na testa há uma palavra escrita “CANSAÇO”, mas quero dizer muito cansaço mesmo tá, nenhum alerta no mundo pode te dar a sensação real, só passando para ver.
Para alegrar a postagem, tivemos nosso primeiro mesversário, foi lindo, foi como eu imaginava só o bolo já era uma obra de arte completa, nós e nossa bebê merecíamos.

Que venham os próximos meses, em especial o terceiro, pois eu não vejo a hora dessa maldita cólica ir embora.

Esse foi um post resumido do nosso primeiro mês, em breve tem mais e quem sabe um volume maior, se Aria der uma trégua, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

BjooOOOs até mais.

Tô Te Querendo: Pochete

Entre uma soneca ou outra, uma mamada do bebê ou outra, uma choradinha de cólicas ou outra, tem sempre um espaço para pensar em uma tendência fashion.

Eu, sou mãe hauhauhauhau, queria tanto dizer isso, a verdade é que ser mãe te priva de umas coisinhas, a primeira que descobri é que não temos a opção de andar com uma bolsa diva só nossa por aí, agora a nossa bolsa é a bolsa do bebê e você leva tudo dele nela (uma bolsa gigante) e uma carteira com o necessário para você, ou seja, você não tem direitos sobre a bolsa ou de usar uma bolsa gata, a menos que queira carregar mais tralhas por aí.

Agora a novidade, vocês lembram que em um século (algum tempo atrás) existia uma aliada chamada pochete que fazia a cabeça das pessoas (na verdade acho que fazia a cintura).


Pois é, a tendência da pochete está de volta e sinceramente não poderia ter chegado em melhor hora, como não posso andar de bolsa por aí eu posso apostar numa pochete com os meus poucos acessórios (documentos e um batom), dependendo do look até que fica um charme.






Vocês devem estar me achando louca uma hora dessas, a louca das tendências, mas é verdade, eu sou mesmo, mas apesar de essa ser uma tendência bem lá das antigas temos que levar em conta que tudo que vai volta e é uma mão na roda essa questão da bolsinha acoplada na cintura enquanto minhas mãos ficam livres pra eu servir ao bebê.


Agora que você viu todas as inspirações que separei aqui com todo amor, o que acham de endireitar esse nariz torto e tentar enxergar a trend com bons olhos? 

Eu garanto a vocês, vou apostar nessa tendência e depois eu posto aqui algo pra vocês se inspirarem da vida real.

BjooOOO

31 de Outubro de 2017

Olá, meu nome é Kaliane Sampaio de Araujo Branco, esse é um relato de um parto nada complicado, apenas um relato de algo tão importante quanto qualquer outra coisa nesse mundo, pelo menos pra mim.

Eu completava exatas 39 semanas e 3 dias, quatro dias talvez, sei lá, mas enfim, já estava que não aguentava mais, inchada, pesada e ansiosa a ponto de ter um colapso nervoso a qualquer momento, pereço dramática, eu sei, mas é sério, tinha chegado num ponto que a exaustão me venceu.

Sabemos bem que uma gestação pode durar até 42 semanas, mas pelo histórico familiar (parto da minha irmã) na semana 39 eu deveria ter algum sinal de trabalho de parto, pelo menos eu queria muito.

Na minha ultima consulta eu marquei uma cesariana para 31 de outubro, caso o bebê viesse antes e naturalmente seria ótimo, pois era exatamente o que eu queria, infelizmente não foi bem assim que aconteceu.

Sério, quem tiver lendo isso com olhos e pensamentos julgadores, sugiro ler até o fim antes de tirar conclusões precipitadas, certo?
Continuando, na semana que antecedeu o parto, fiz caminhada, faxina, agachamento e tudo mais que você puder imaginar, eu só queria um sinal, mas não tinha. Me senti bastante egoísta com a decisão da cesariana, afinal uma gestação saudável merecia ser levada ao fim, todos os planos que fiz, mas enfim, estava chegando a data, no dia anterior o tampão saiu, nada mais acontecia, no dia seguinte fomos ao hospital na hora marcada, no caminho parece que minha bolsa estourou, mesmo assim não sentia absolutamente nada, já estava lá e pronta, então que prosseguissem com a cesariana.

A cirurgia foi um sucesso, rápido, prático e indolor, apesar de uma espera absurda, minha médica atrasou demais, mas enfim, deu tudo certo, eu vi e ouvi um chorinho vindo de um bebê, era o meu bebê, tão linda, exatamente como no 4D, a cara do pai rsrsrsrs, nossa foi emocionante, não teve lagrimas da minha parte, estava um pouco tensa, mas eu olhei bem pra ela e sabia que ela era minha menininha, coisa mais fofa, momento único, pra lembrar eternamente.

Alguns minutos depois fomos informados que a nossa filha ficaria em observação na UTI para monitorar o coração por conta do meu lúpus, segundo os médicos a doença pode ou não afetar o coração do bebê, se for é detectado em 24hs. Para nossa surpresa havia também outro detalhe, Aria nasceu com uma das perninhas torta devido à posição uterina, mas havia sido ajustada pelas médicas, porém houve um inchaço inesperado no joelho direito e isso preocupou a todos, para apavorar ainda mais o hospital não dispunha de um ortopedista de plantão, o mesmo só estaria disponível no dia seguinte para avaliar meu bebê.

Fui para recuperação, me sentia bem, o Fofão (esposo) cuidou de todo o resto, mas o que deveria ser uma recuperação de até 3 horas durou muito mais e subi para o quarto bem a noite, a família aguardava tensa, mas eu estava bem, parece que perdi mais sangue que deveria e acabei evoluindo para um quadro de anemia.
Isso sinceramente não afetava muito, eu estava bem, mas na minha cabeça só queria saber da minha bebezinha que não estava ali comigo, com a família.

Logo que me levantei da cama, tomei um banho observado e fomos ver a bebê na UTI, ela estava bem, o joelhinho um pouco inchado, mas bem.

No dia seguinte tivemos a visita do ortopedista e parece que não havia nada no joelho, mas ele sugeriu usar uma tala, para inibir o movimento e ajudar a desinchar, parecia que tudo ia bem, mas pensa no momento mais triste da vida de uma pessoa, ver seu bebê, tão indefeso e frágil, com aquela tala enorme e pesada na perna, ai que tristeza no meu coração.

Aria subiu para o quarto como programado pela pediatra, ainda com a tala, estávamos indo bem, ficamos no hospital até a sexta-feira de manhã, meu aniversário foi no hospital e tive visitas especiais, isso ajudou a aliviar a tensão.

Bom, o que na verdade quero dizer com esses detalhes todos é que “Deus sabe o que faz”, eu mudei de opinião sobre o parto quase que no meio da gestação, no início a cesariana era minha meta, por medo de dor, mas quando os dias seguiram o medo da cirurgia era maior que o da dor, então era parto normal na cabeça, além do que teria analgesia como aliada, mas o destino me levou para outros caminhos.

Minha pequena teve uma complicação pós-parto que me deixou de cabelo em pé, na verdade até hoje e não sei bem quando isso vai passar, morro de medo do que pode acontecer, confio em Deus acima de tudo e sei que ele me ajudou na hora que mais precisava, imagino que se eu tentasse parto normal com mais duas ou três semanas para frente quem sabe o que poderia ter acontecido.
Por fim, eu declaro que agradeço a Deus em primeiro lugar e meu esposo por estar sempre ao meu lado e a minha família que foi e é essencial. Minha filhinha está bem e saudável, mais saudável a cada dia na verdade, o quadro da perna não se agravou e parece estar mais normal cada dia que passa, então só tenho a agradecer e agradecer.

Aos que leem esse relato eu digo, confiem acima de tudo em Deus, entreguem seu caminho e deixe que ele faça o que tem que ser feito, o mais importante é confiar.

Se minha vida mudou? Ahhh com certeza, a partir do momento que ouvi um chorinho suave e vi um rostinho familiar, ahhh minha vida mudou completamente, um amor muito, mas muito maior que o universo.


Bjooo

Cabelos – Rápido e Prático

Olá pessoal, olha eu aqui de novo, 38 semanas completas e contando, a hora está chegando, parece mais longe do que realmente é essas ultimas semanas são f*%@.

Mas não vamos falar sobre gravidez aqui, vamos focar nas mamães, muitos memes e muitas amigas mamães brincam dizendo que “quando nasce uma mãe, nasce um coque”, estou prestes a desvendar esse mistério, isso é verdade ou não veremos.

Felizmente no mundo da moda há tendências que podem ser a saída para essas mamães e futuras mamães, lembram-se do coque desarrumado né?

Pois é a gente usou, abusou e ainda continua usando, porque é rápido, prático e charmoso o bastante para te levar de um café da manhã a um jantar a noite num look totalmente despretensioso.

Eu nem sempre fui fã de coques, na verdade sempre tive resistência em sair por aí de coque, sempre achei que o penteado me deixa com uma cara se graça, também não conseguia um efeito despojado ao tentar o penteado assim de bate e pronto, mas sempre que deixava um coque durante um dia inteiro em casa mesmo o bendito ficava perfeito.

Agora tenho uma noticia muito, mas muito boa pra vocês, pra nós, pra mim hauhauhau, eu amo o penteado mais clássico que existe nessa vida que é o rabo de cavalo, aquele amarradinho básico de todo o cabelo, a altura do penteado você escolhe e é isso meu bem que vai dizer se você é ou não fashion.

Agora vocês me perguntam o que isso tem a vê com as mamães e eu digo que é tudo, mas é tudo mesmo. Em menos de uma semana ninguém mais, ninguém menos que Rihanna, Bella Hadid e Kim Kardashian aparecerem com o mesmo penteado por aí, cada uma do seu jeitinho claro, acho que isso é uma tendência, certo?



Isso significa que temos mais uma opção além do coque, imagino que o tempo ou falta de tempo que vamos ter após nos transformarmos em mães vai ser o suficiente para amarrar bem e levantar se necessário.

Bom, é isso, fica a dica, agora vou aguardar a minha vez, vejamos se Aria (meu bebê) vai me dar essa trégua.

BjooOOOO
 

criado e codificado para o blog Kaly Magricela
cópia proibida © 2015