Look Gestante - Tênis Inspired

Olá pessoal, desculpem o sumiço, mas estou aqui atualizando mais esse cantinho com inspirações para minhas amigas gravidinhas.

Essa semana completo sete meses e já sinto bastante dificuldade pra me vestir e calçar principalmente, então o que restou nessa fase final são as sapatilhas e os tênis.

Felizmente tenho meus preferidos em casa, mas por incrível que pareça estou com muita dificuldade em me vestir, eu acabo de passar por uma gripe violenta, na verdade estou saindo dela e pela falta de frio acabei me expondo um pouco demais nesses dias nebulosos e olha no que deu, agora estou traumatizada e não quero deixar pernas nem pés de fora.

Separei uns looks da internet que provavelmente vão ser inspiração pra mim e pra você que está sem muita opção e com um barrigão enorme. rsrsrsrs









Então o que acharam?

Estou aqui pensando nas possibilidades, então até a próxima.

BjooOOO

Diário de Grávida – Capitulo 7

Pessoas que gostam de aterrorizar;
Bom, hoje venho falar de um assunto chaaato, sabe quando você está super ansioso pra fazer algo e vem uma pessoa negativa e começa a meio que rogar negatividade pra você? Pois é, essa situação é tipo isso.

Tudo começa quando você faz o teste e vê que é “POSITIVO”, hehehehe começam os parabéns, as felicitações, os amigos de longe desejando uma gestação maravilhosa e até desconhecidos na rua desejando boa hora (parto) quando tem um breve dialogo com você, essa é a melhor parte de dar a notícia, dureza mesmo é quando eles acham que você está feliz demais, parece que pensam: vamos acabar com essa felicidade agora.


Até entendo que queiram te alertar de certas coisas, mas sinceramente, comentários maldosos com informações falidas e com ênfase negativa, semblante meio que desejando seu mal e o olhar maligno dizendo: você vai se ferrar, eu me ferrei, o seu vai ser em dobro.

Sério, já deu, estou evitando certas pessoas que sei que só dão dicas ou alertas desse tipo, poxa, que vai ser difícil a gente sabe, mãe de primeira viagem, total despreparada, um novo universo a ser desvendado, tudo com tempo e horário indefinido, mas pera lá moçada, se você conseguiu, eu também consigo.

De fato, a maternidade é um misterioso universo para as iniciantes que vai do gostoso ao doloroso em segundos, temos picos de felicidade e decepções que por vezes nos fazem rir e chorar em determinados momentos, mas a felicidade de estar gerando uma vida e dar continuidade a nossa linda família compensa o fator dolorido, então a verdade é que não é fácil nem indolor, mas vale super a pena.


Então você está em um dia bom, sua gestação está uma maravilha, já se passaram os enjoos, as dores corporais ainda não são constantes, você não está tão pesada ainda, continua trabalhando, leva uma vida normal, apesar dos hormônios te deixarem sempre “a flor da pele” você se controla, ou pelo menos tenta, curte ao máximo com o maridão, vocês gostam de pegar um cineminha esperto e num fim de semana qualquer você comenta cazamigas;
(Grávida) _ebaaaaa chegou a sexta-feira, vou pegar aquele cine com o love! Viva a sexta-feira.

Um comentário normal, compartilhando com as amigas o seu desejo de felicidade do momento, você está bem, tudo está bem, mas infeliz que parece não gostar de te ver feliz, responde;

(Amiga da grávida) _aproveita mesmo, porque quando o bebê chegar você vai ter muita roupa pra lavar e passar, nem vai lembrar mais de cinema, cinema na madrugada é bebê chorando de cólica e você e seu love tentando fazer ele calar.

PQP quem foi que te perguntou? Sério, uma pessoa dessas deve ser muito infeliz, porque a gente tá compartilhando um momento bacana e a pessoa vem com sete pedras na mão e taca, mas ela taca bem na sua cara pra destruir todo seu semblante feliz.

Eu estou com 25 semanas de gestação, tenho 29 anos de idade, tenho 3 irmãos mais novos, nunca tive empregada, ainda na casa da minha mãe aprendi as tarefas domesticas rotineiras. Também sei que bebês consomem os pais/ mãe em tempo integral, sei que terei noites/ muitas mal dormidas, sei que o choro será ensurdecedor em dias de cólicas fatais, mas sei que meu instinto/ minha mãe vai me ajudar e muito. Sinceramente, não preciso sofrer por antecedência, prefiro curtir essa fase o máximo que der, quando realmente chegar a hora de lavar, passar, acalentar e se injuriar com situações, eu vou, mas agora, me deixa em paz amor, deixa eu ser feliz.

(Grávida) _miga, tô usando um creme baphônico contra estrias, tô me lambuzando todinha, pra ver se fico bem depois do nascimento do bebê né, ahhh queria tanto voltar ao normal.

Se prepara para a bomba...

(Amiga da grávida) _ vai sonhando, usei creme, óleo, sebo, tudo que me indicaram, mas a barriga esticou tanto que fiquei detonada, essas coisas não adiantam não, pode usar de tudo mas é certeza fiahhh, nunca mais tu vai usar biquíni, pode se acostumar com maiô e shorts pra ir à praia.

Aff que pessoa maligna, gente de fato estrias são inevitáveis, eu já tinha antes de engravidar, meu sonho é pelo menos conseguir poucas marcas na região da barriga, mas sério, não precisa desanimar desse jeito. O que me deixa mais abismada é que essa pessoa teve filhos, ela sabe que você está um não me toque só, mas o porquê dessa pessoa fazer isso com você, eu sinceramente desconheço, só lamentos.


Parto, esse assunto é bastante delicado, em dias que o tal parto natural, normal ou sei lá o que é meio que modinha, ninguém, absolutamente ninguém aceita sua opinião sobre o que e como você quer, você vai ter parto normal, vai se f... com perdão da palavra, vai chorar, vai gritar, vai esbugalhar os olhos fora da caixa, teu médico vai estar em viagem, você vai pegar o plantonista mais carniceiro que tiver no hospital, não adianta escolher maternidade TOP, pois eles vão te distratar, não tem como escolher o parto, você vai ter o que o médico decidir, sua opinião vale menos que um centavo, você é o mosquito do c... do cavalo, você só tem que ouvir e esperar por toda a desgraça que elas te rogarem e se for muito bocuda pra dizer que vai fazer cesárea e não tá nem aí, elas te chamam de mole, cagona, pois se elas conseguiram, você também consegue (pqp).

(Grávida) _ miga tava pensando aqui, não tenho coragem de ter parto normal não, acho que vou optar por...;

Nem terminou sua frase a moça já começa;

(Amiga da grávida) _ há há há !!! tá pensando que é assim, você vai decidir, fiahhh você vai ter o que tiver que ter e pronto, e vou logo te falando, é uma dor dos infernos, parece que você vai morrer, é a dor da morte...(cinco minutos mais tarde) mas vale a pena.

Esse final “mas vale a pena” que mata, ela te desencoraja ao máximo, te detona, faz você enxergar aquilo como uma experiência brutal, mas no final vale a pena. Poxa gente, eu e você estamos cansados de saber que existem diversas situações, fatores externos, complicações, a dor existe, os processos podem ser lentos e dolorosos, mas é claro que tudo isso vai de situação para situação e o mais importante, pessoa para pessoa.

Sinceramente, não preciso de ninguém me aterrorizando dia após dia e depois de dar um choque no meu psicológico falar que é tudo maravilhoso, para eu curtir essa fase grávida, e depois de olhar o bebê lindíssimo e pleno em meus braços, embora eu mesma estando sentindo como se um caminhão tivesse passado por cima de mim, ainda sim valerá a pena, OK, chega, eu sei que o sofrimento, as dores e os dissabores realmente serão apagados lá na frente com minha linda filhinha nos meus braços, mas querida, vamos conversar de mana para mana e não deixar a coitada da grávida aqui mais apavorada que nunca.

Pois bem, relatei casos acima que vivi e ouvi de outras amigas grávidas e achei super chato, mas não fui rude ou me exaltei na hora, apenas abstraí a situação, a pessoa nem se toca que já esteve no seu lugar sabe, muitas das vezes até vejo a expressão no olhar de quem está te alertando, mas infelizmente essa é a pior forma de alertar alguém, aterrorizando.

Obviamente nem todas as pessoas agem dessa forma, tenho conhecido histórias mil de pessoas, amigas e conhecidas que tem uma paciência e cautela para contar fatos que até mesmo foram absurdamente chatos em suas vidas, porém são filtrados da melhor forma possível e acabam sendo expostos com mais sutileza, assim eu absorvo e passo a pensar naquilo mais abertamente e sem terrorismo.


Tem tantos blogs e diários de gravidez na internet, já vi diversas postagens sobre o que falar ou não falar com uma grávida, mas eu não quero ser grosseira ou chata aqui, apenas expressar meu sentimento sobre essa e outras situações, compartilhar com você gestante ou não esse pedaço da minha vida e essa fase linda, então se você também é gestante e já passou por isso sugiro que gargalhe comigo amiga e tenhamos fé pois lá na frente as coisas se ajeitam, já você que só está curiosa ou está se programando para passar por isso também, gargalhem, daqui a pouco tem isso e muito mais.

OBS. Para as migas terroristas, não fiquem chateadas, sei que vocês se intitulam realistas, mas queridas tentem pensar assim, sua realidade nem sempre será a minha ou a de outra amiga, então maneirem migas.


BjooOOO

Tal Mãe, tal filha

Não tem como evitar pensar em como vai ser quando minha princesinha estiver aqui comigo, a gente começa a planejar uma imensidão de coisas, entre família e entre mãe e filha.

Minha mãe teve quatro filhos, as duas primeiras foram eu e minha irmã, agraciada com duas moças em casa ela sempre teve companheiras, hoje comigo e minha irmã casadas ela sempre lamenta solidão, embora sempre estejamos juntas em tudo que é ocasião.


Eu não sei realmente como vai ser, mas sei que vai ser tudo maravilhoso, do choro ao riso, agora o que eu realmente tenho pensado, vocês vão querer me trucidar, então peguem leve, vamos lá; eu tenho pensado muito em como vou vestir minha pequenina, antes não pensava muito nisso, mas depois de conhecer o universo "rosa" que parece preceder uma bebê menina eu simplesmente não curti muito.

Visto que eu estou totalmente fixada nesse assunto comecei a buscar roupinhas diferentes para minha bebê e acredito que já montei um tremendo arsenal para ela, nem queiram contar no dedo quantos bodys e culotes de diversas cores tem nas gavetas da cômoda da Aria, mas enfim, isso é papo para outra ocasião, queria mesmo era mostrar para vocês umas fotos lindas do Pinterest com o tema do post e que são uma fofura, vem se inspirar.







Gostaram das inspirações? Espero que sim !!!

Se você já tem uma ou mais princesas em casa que te fazem companhia, aproveita pra compor looks com o tema tal mãe tal filha e me conta como foi, a min ha vez não vai levar muito tempo para chegar, mas em breve estarei nessa mesma vibe.

iuhuuuuu BjooOOOO


Pra Inspirar: Insta Show @cissifio

Essa tag estava meio perdida desde que comecei a falar da gravidez, mas hoje vou ressuscitar ela com uma fofura de conta no Instagram para vocês curtirem.

Vocês sabem bem que vou ser mamãe de menina hehehehe, pois é, já estou pirando com mini looks de bebês, imagina quando ela tiver tamanho pra calçar tênis, sandálias, usar bolsinhas e tudo mais, pois é, a louca do mini look está na área.


Mas para não me estender mais nessa melação que tal conhecer a Cissi mãe da Amelia que tem um perfil fofo @cissifio de mãe e filha que deixa qualquer mãe de menina de boca aberta, olhem só.







Não é mesmo uma fofura? Pois é, corre e começa a seguir, eu não vou perder mais nenhuma postagem dessa duplinha, copiando todos os looks mãe e filha em 3..2.1.

BjooOOOO

Gestação vs Trabalho

De fato, eu ainda não sou “mãe”, o status de gestante prevalece, ainda mais por se tratar da minha primeira gestação, mas mesmo assim já me sinto ultra responsável por essa pessoinha que carrego no ventre com muito cuidado, amor e carinho.

Hoje venho colocar em pauta um assunto que muito vem me incomodando, trata-se da gestação no ambiente corporativo, no trabalho por assim dizer.

Atualmente sou funcionária numa empresa privada, faço parte de um departamento administrativo e já vinha planejando minha gravidez a um tempinho, visto que faço parte da massa proletariado nessa mesma empresa há três anos me senti livre em escolher esse período para engravidar. Meu departamento apesar de enxuto, ao meu ver, tem plena capacidade de tocar a rotina sem mim durante o período de licença.

Acho importante que o colaborador seja consciente e transparente nesse aspecto, obviamente que imprevistos acontecem, mas no meu caso como já estava planejando todo esse processo, analisei todas as possibilidades, alguns dos fatores importantes foram minha idade, o diagnóstico de Lúpus e depois o trabalho, depois de ter certeza que nenhum deles seria prejudicado eu dei start ao projeto bebê 2018.


Claro que isso não é uma regra a ser seguida, eu criei meus próprios parâmetros com base no que achei importante, eu sempre tive um certo receio de tomar decisões que iriam impactar na rotina do trabalho de forma negativa, não que esse seja o caso, mas imaginemos que eu fosse ferrar meu departamento na licença maternidade, a partir do momento que fazemos parte de uma equipe na empresa é importante observar tudo, afinal de contas se não nos revezamos para tirar férias? Então para mim não foi diferente, pensei na capacidade que a equipe possui de manter o departamento com ou sem minha mão de obra.

Obviamente que imprevistos acontecem, não quero que ninguém pense que se com você aconteceu em um momento inesperado e isso afetou de forma imprevisível o seu trabalho, que está errado, não é isso, a partir do momento que a mulher torna-se uma gestante a empresa tem mais é que se adaptar, afinal não estamos falando de uma coisa qualquer, estamos falando de um estado de perfeição genética, estamos simplesmente dando seguimento ao que o corpo fora direcionado a fazer naturalmente, ou seja, isso é muito normal.


Falando dos direitos da gestante, legislação estipula uma licença maternidade de 4 meses (120 dias corridos) até 6 meses (180 dias corridos), mas a licença de 180 dias corridos vale apenas para as empresas que aderirem o programa Empresa Cidadã, nesse caso a empresa recebe incentivo fiscal para ampliar a licença maternidade. 

Já funcionárias públicas federais tem direito a licença maternidade (afastamento) de seis meses (180 dias). Alguns sindicatos procuram negociar junto às empresas a ampliação da licença maternidade para seis meses para as trabalhadoras dos diversos setores.

Também há a possibilidade de ampliar o repouso por mais 15 dias, já ouvi muito falar em licença amamentação, mas em minha pesquisa vi que é necessário apresentar atestado médico, que no caso indicaria algum problema médico.

A estabilidade da funcionária gestante é um direito garantido para qualquer que seja a classificação contratual, mas contratos provisórios devem ser avaliados com calma, acredito que toda essa questão de estabilidade deve ser entendida entre funcionária e empresa assim que o anuncio da gestação seja feita, claramente se você pretende engravidar e está trabalhando a um tempo, procure o RH para esclarecer esses assuntos, saber como a empresa lida no que diz respeito a gestante e tudo mais.

É super importante estar a par de tudo no que diz respeito aos direitos da gestante, mas também é importante entender que a empresa também precisa ser notificada dos fatos que acontecem com você, então sendo uma gestante consciente, deixe sempre seu departamento avisado sobre seu estado gestacional, avise ao RH da sua empresa, não deixe de comprovar suas saídas para consultas e exames com atestados e comprovantes médicos, pois por mais que estejamos passando por um período especial e delicado, ainda assim somos funcionárias e precisamos seguir as regras básicas.


Agora que sabemos um pouco mais sobre os direitos da gestante que tal um papo sobre a tratativa das pessoas com você gestante durante a descoberta e andamento da gestação. Pois é, meio delicado esse assunto, eu sei, mas é por isso que eu quero falar aqui sobre tal coisa.

Atualmente tenho amigas que tiveram bebês a pouco tempo e cada uma tem uma história diferente para contar sobre como foram seus meses gestacionais dentro da empresa, algumas delas foram felizes em toda sua gestação com a compreensão sem limites de todos a sua volta, já outras tem histórias macabras para contar que por sua vez dá até raiva de comentar.

Infelizmente lidamos com todo tipo de gente no nosso dia a dia, o mundo corporativo nunca foi um mar de rosas para as mulheres em geral, a gente sempre é criticada por ir mais a consultas médicas e tudo mais, porém quando a pessoa passa da fase normal para a fase gestante tudo muda, não se trata mais de uma funcionária mulher e sim de uma funcionária gestante que depende de situações diversas e requer um pouco mais de cuidados especiais.

Já ouviu a expressão “gravidez não é doença”? Com certeza já, realmente gravidez não é doença, mas infelizmente algumas gestações desencadeiam sintomas inesperados podendo sugerir até que gestante por meio de solicitação médica pratique repouso absoluto, independente de estar no início, meio o final da gestação.


Hipocritamente alguns gestores tendem a receber anúncios de gestação dentre as funcionárias da empresa com péssimo humor e parecem ter um livro negro onde escrevem o nome de tal colaboradora ali, planejando um futuro sombrio à mesma. Alguns viram a cara, passam a tratar a gestante com indiferença e até soltam piadinhas do tipo “gravidez não é doença” ao longo do caminho.

Eu odeio que essa seja a realidade de muitas gestantes, tantas experiências a mim foram contadas e até eu mesma poderia dar uns exemplos aqui de críticas disfarçadas de comentários humorísticos que já ouvi dentro da minha empresa, mas felizmente eu tenho ouvido mais pessoas preocupadas e felizes com meu estado atual que pessoas revoltadas querendo me detonar.

Para as gestantes que tem gestores sem noção a sua volta eu sugiro que ouça as críticas, piadinhas e o que quer mais que façam de forma irônica e simplesmente abstraia, sei o quanto é difícil, ainda mais assim, grávida, mas tente ao máximo não se desmanchar ou até mesmo perder o controle no ambiente de trabalho, guarde e ao chegar em casa converse com seu parceiro, sua mãe, pai, irmã, amiga, despeje toda aquela m***a pra fora de você, se for necessário chore e em seguida ria da cara dos desprezíveis, afinal é você a felizarda por estar carregando esse milagrinho ai dentro, ahhh e se possível vá se distrair, as mamães merecem uma noitada também (seguindo as indicações médicas claro).

Seria muito bom se pudéssemos manter tudo e todos em nosso controle, mas parece que na gestação perdemos o controle de nós mesmas, mas não se preocupe, o importante é manter a cabeça erguida e preocupar-se apenas em sua saúde e na do bebê é claro, o resto vai se ajeitando com o tempo, não siga regras alheias quanto a como e quando, se deve ou fazer algo, siga as indicações médicas e faça suas próprias regras, cada pessoa é uma pessoa, cada gestante é uma gestante.

Mantenha-se perto de quem lhe quer bem, mantenha a mente aberta para tudo de bom e ruim que pode ouvir, conte até 10 para não perder o controle, faça o que estiver ao seu alcance, respeite seus limites.

Se lhe faltarem com respeito, imponha-se, você tem direitos, não só no trabalho, mas em qualquer lugar, mas não seja aquela chata ao extremo, avalie a situação, acho que embora estejamos gestantes, ainda sim somos uma pessoa como qualquer outra e também devemos respeito ao próximo.

Tente curtir esse momento, viver essa experiência e manter a cabeça no lugar, para as mães de primeira viagem como eu, mesmo com pouca experiência já digo que tudo se ajeita com o tempo, já as mães que estão passando por mais uma gestação, essas guerreiras, desejo sorte, vocês são uma inspiração.


BjooOOOs e até mais.

SLINGBACK - Paixão do momento

Não tenho nem palavras para começar essa postagem, só sei dizer que foi amor a primeira vista!!!


Entendem agora do que estou falando? 

Pois é, o poderoso slingback, mas no meu humilde entendimento fashion esse sapatinho fofo é um mule, das antigas, da vovó, mas com muito charme.

Ele é bem romântico e gracioso, classudo por assim dizer, mas não se engane com as aparências, Chanel calçou ele nos anos 50, mas deixou o estilo despojado para os tempos atuais e permitiu que combinássemos essa beldade com um look casual de cada dia.



Abuse do jeans, seja feliz, mas não pense que vai parar por aí, você pode compor looks mil com esse luxuoso e básico sapatinho, fica com uma cara cool e um toque de pura classe.

Não sie você, mas estou com a imaginação a mil, pensando em onde encontrar esse maravilindo sapato pra eu me acabar, pois saltos não tem feito muito mais parte dos meus looks gestantes, ainda abuso em um dia ou outro de saltos mais largos, mas a verdade é que me canso fácil, mas um saltinho desses do slingback me ajudaria e muito na realização do desejo fashion e no dia a dia claro.




O modelo clássico é da Chanel, mas como ainda não cheguei nesse nível acho bom encontrar um similar.


Olha só o que encontrei, na AMARO loja online mais fashion e de preço espetacular que amo, o sapato que mais queria no momento por um precinho camarada apenas R$ 149,90 não é de arrasar? Vou garantir o meu antes que acabe.



Bom, não sei se você curtiu essa tendência, mas me conta aí, acha que vai apostar num slingback um dia?

Não precisa se sentir pressionada, fique tranquila, não gostando desse modelo você pode optar por saltos mais altos e finos, a ideia vai ser a mesma.

Fico por aqui, a gente vai se falando.

BjooOOO

Diário de Grávida – Capitulo 6

Medos e indecisões, essas são duas coisas que me acompanham nessa fase, mas acho que é normal, aliás, com todas as mães que tenho conversado foi assim ou parecido.

Mas também né gente, na vida, quem não teve medo ou ficou indeciso com algo, acho que todo mundo teve, tem ou vai ter seu momento, não importa o fator que o proporcione tais sentimentos.
Obviamente que eu por estar atravessando esse caminho de não grávida para grávida e logo adiante mãe é meio que uma situação mais intensa, tudo é novo, tudo é bem instável, seu corpo, sua mente, seu espirito, parece que cada um vai para uma direção diferente rs, as vezes dá vontade de apertar o pause para organizar a situação, mas como isso não é possível a gente vive, ou convive esperando e trabalhando para que o melhor lá na frente possa acontecer.


Agora focando nessa fase da gestação e exatamente nesses meus medinhos e indecisões, quero compartilhar aqui com as mamães ou futuras mamães o que passou e anda passando pela minha cabeça.

Lúpus – eu sou diagnosticada com essa doença que por sua vez não tem cura, mas que se o paciente tem acompanhamento regular e segue as orientações médicas à risca, não precisa se preocupar. As medidas paliativas no meu caso se resumem a uma formulação em comprimidos que tomo diariamente e me mantem estável, mantenho consultas regulares e exames semestrais, agora grávida tenho consultas mensais e exames mais frequentes, também suspendi a ingestão do medicamento que por sua vez é contraindicado na gestação, mas estou bem.

Num primeiro instante, antes de engravidar, mas no período de preparação eu conversei com a minha médica (Reumatologista Drª Berenice Canova) sobre a questão do “engravidar”, a partir de informações da internet e de depoimentos reais de conhecidos que tem ou conhecem alguém no mesmo/ parecido quadro clinico que o meu, engravidar poderia ser difícil, talvez até impossível. Não me desesperei, meus exames e diagnósticos pareciam tão positivos e foi assim mesmo, em conversa com a doutora perguntei se havia algum exame que poderia dizer se meu lúpus me impedia de engravidar, segundo ela não era bem assim, meu corpo reagia bem a medicação, apesar de ainda não ser capaz de não conseguir suspende-la, mas que eu deveria tentar, só assim saberíamos se daria ou não certo e passaríamos para outra etapa.

Segui com o plano, consultei meus médicos de rotina, fiz exames, mudei meu plano de saúde e parei de tomar o contraceptivo de cada dia. Achei que ia ser bem rápido, estava tão animada com a ideia de engravidar que pensei, vai ser muito tranquilo, certeza que engravido imediatamente.

Não foi bem assim, a gente sabe que tem que desencanar das coisas que queremos, deixar a ansiedade de lado, viver um dia de cada vez, mas não é bem assim que as coisas acontecem, infelizmente a nossa mente pode nos trair e aquela ansiedade que na nossa cabeça é uma ciosa leve e sem malicia, pode ser o maior problemão no sentido de atingir o objetivo final.

No meu caso, eu estava a todo vapor, minha sobrinha acabará de nascer, nossa chega brilhava os olhos ao olhar pra ela, toda aquela realidade que minha irmã estava vivendo, era eu idealizando aquilo para mim em poucos segundos. Meu esposo também estava bastante animado, ele sempre quis muito ser pai, o nascimento da Alice meio que multiplicou nossas emoções positivas para isso e foi o que desandou tudo, pelo menos eu acho.

Todo mês uma expectativa enorme, mas a sinalização mensal não parava de vir, menstruava e virava a página, querendo ser positiva, mas comecei a temer ao longo dos meses. Será que eu não poderia engravidar?

Foram 7 meses certeiros de tentativas, nas ultimas já nem pensava mais na possibilidade de estar grávida pois foram tantas frustradas, sinceramente, já estava querendo procurar um médico, mas eu sabia que para ir a um especialista teria que ter tentado pelo menos 1 ano inteirinho.

Lembro-me que no começo de 2017 eu meio que me frustrei com um outro assunto, fatores profissionais, isso meio que me fez desencanar do assunto gravidez e me deixou fixada nesse fato, foi bem antes das férias, então passei o carnaval bem P*** da vida e voltando do feriado colocaria em pratica outros projetos.

Em fevereiro eu me esqueci de monitorar a menstruação, senti uma ponta de esperança com o assunto gravidez e fiz um teste de farmácia, mas ... não foi dessa vez.

Segui o roteiro normalmente, me preparei para as férias e nem pensei em gravidez ou problemas no trabalho, de malas prontas partimos para Buenos Aires, conhecer a tão falada Argentina, gente sinceramente não curti muito, esperava mais desse país vizinho, mas não vou dar detalhes agora. Lá eu senti falta da água, a de lá parecia salgada, os dias seguiram assim, com sede e tomando Gatorade até dizer chega, me sentia desidratada, fraca, cansada, mas tudo que tinha pra fazer a gente fez, não ficou faltando nada.

Voltando da viagem eu não me senti bem, pensei em tomar o chá mais milagroso e perigoso de todos, chá de boldo, mas um alerta na cabeça: e se eu estiver grávida, boldo vai fazer mal.

Decidi então fazer um teste de farmácia, sem muita expectativa, só pra fazer mesmo, parece que eu sabia que ia ser negativo, afinal, em meados de fevereiro eu já tinha feito e deu negativo, então...
Voilà, não é que deu positivo!!! Santo Deus, acho que estou grávida; pensei eu.

Não me conformei com o teste de farmácia e fui ao hospital, com todos os sintomas possíveis, conversei com a plantonista que me parabenizou, confirmou de olho o exame de farmácia e pediu um de sangue, eu ainda descrente, fiz o tal exame, com resultado em mãos ainda fiquei vacilante, agora queria ouvir o coração do bebê para ter certeza mesmooooo que estava acontecendo.rs

Tão vendo, medos e receios de uma mãe de primeira viagem, hoje dou risada com tudo isso, mas conversando com a minha própria mãe que gargalhou com as minhas histórias e balançou a cabeça afirmando meus medos e até compartilhou suas experiências comigo, me deixando mais calma, só um pouco mais calma, pois cada dia aparece um fato novo pra eu ter medo e indecisão, mas eu acho que estou caminhando bem, tenho conversado com amigas, mantido bom relacionamento com a Obstetra e por aí vai.

Tem dias que gargalho com minhas dúvidas, tem dia que fico meio apreensiva, mas cada dia é um dia e com certeza para tudo tem uma resposta, basta encarar firme e forte até que tudo se ajeite como planejado.

A certeza maior que tenho é que Deus está olhando aqui pra baixo e agindo para que tudo corra bem comigo, com a Aria, com o papai dela, com a nossa família, com a sua, com a da nossa amiga, com todo mundo, ele tem um plano perfeito para todos nós, basta enxergarmos o caminho, seguirmos e não duvidar nunca.

É isso, pensei que poderia fazer uma listinha de medos e indecisões nesse post, mas não deu, rs ficou longo demais, vamos seguindo e vou compartilhando tudo pouco a pouco.

BjooOOO
 

criado e codificado para o blog Kaly Magricela
cópia proibida © 2015